O Impressionante Exorcismo de Casagrande

casagrande-e-seus-demonios

Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo, setembro de 2007. Em um apartamento o DVD do The Doors está no talo, e o lendário Jim Morrison canta fortemente os impactantes versos: “This Is The End, my only friend, the end. Of our elaborate plans, the end. Of everything that stands, the end.” (Este é o fim, meu único amigo, o fim. De nossos planos elaborados, o fim. De tudo que está de pé, o fim.).

Continuar lendo

Tabu Acrescentado

Anúncio do show da Nação Zumbi

Por um bom tempo achei que o título de “melhor show nacional que já vi na vida” ficaria de forma vitalícia com o dos Titãs, que assisti juntamente com meu grande amigo André na Fenamilho, naquela memorável noite de quinta-feira de 21 de maio de 2009.
Continuar lendo

Tarantino made in Brasil

Estreia de Afonso Poyart sai do senso comum, inova e dá uma nova perspectiva a produção de filmes de ação nacionais.

Explosões, tiros, grafismos, vídeo game, jogadas de câmera, plano para exterminar político corrupto e perseguições de carro num ritmo frenético e videoclíptico; e tudo isso apenas em um trailer! Foi dessa maneira que o País foi apresentado a uma das produções mais surpreendentes dos últimos 10 anos: 2 Coelhos.

Continuar lendo

Os 13 Sintomas

Festival que mobilizou a população mundial em 1985 na luta contra a AIDS, deu origem ao dia do rock.

Não é exagero afirmar mas, há exatos 27 anos atrás, um mega evento fez com que a Terra literalmente parasse: acontecia o Live Aid, cujo objetivo era o de conscientizar a população mundial sobre uma grave doença, que nos 80 e 90 era a garantia de morte: a AIDS.

Continuar lendo

Ganhando Voz Na TV

Programa apresentado por Serginho Groisman, revolucionou o jeito de se fazer tv e a linguagem do jovem brasileiro.

Com o fim do ano se aproximando, e 2012 já batendo na porta, as previsões, planos, palpites e metas já começam a ser feitos, porém o que  gostaria de fazer nessa reta final de 2011 é o caminho oposto, gostaria de convidar você leitor do blog a uma saudosa volta ao passado, mais especificadamente aos anos 90, e relembrar uma das coisas que fizeram valer (e muito) a pena ter vivido aquela década: Programa Livre.

Continuar lendo

A saga continua – God of War II

Após zerar God of War I, o JJúnior e eu continuamos a saga com a sequência (magnífica) do jogo.

Desde nosso último encontro, Kratos tornou-se o novo Deus da Guerra e agora sua jornada recomeça com sua descida do Olimpo a Rodes, para ajudar seu exército na invasão e destruição da mesma. Como já era de se esperar, Atena o alerta a respeito dos riscos dessa sua atitude, mas Kratos a ignora e continua a destruição. Mas é aí que ele se surpreende com a presença de um pássaro, o qual suga sua energia, fazendo com que ele se torne, novamente, um mero mortal. Essa energia é depositada na ‘pequena’ estátua que compõe o cenário e aí começa nossa primeira batalha. – Vale citar que a brincadeira nem começou ainda, nesse momento estamos nos primeiros minutos do jogo e já boquiabertos com tamanha grandeza.

Kratos, Continuar lendo

Festa Titânica

Documentário dirigido por Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves mostra em detalhes a trajetória de sucesso dos Titãs.

Um termo que achei perfeito para definir os Titãs veio de meu amigo Rogério Vaz, quando certa vez ao falarmos da banda ele disse: “Cara, os Titãs é a união de oito gigantes do rock nacional numa banda só!” E a melhor forma de entender e saber com mais afinco sobre o grupo que é um dos maiores dor rock nacional (e ouso dizer do rock internacional também!), e o porquê meu amigo Rogério utilizou este termo para definir de forma exata a genialidade da banda, é assistindo o excelente documentário Titãs-A Vida Até Parece Uma Festa.

Continuar lendo

Auter Ego Frustrado

Livro traz retrato autobiográfico às avessas de Tony Bellotto

“Pense no cu. Por que cu termina em u? Há um motivo. É a mesma coisa com as bucetas. O segredo está no u. U tem cheiro. U tem gosto. Até a palavra oficial do cu, ânus, tem lá seu u. Que beleza de palavra: ânus. Sente a sonoridade?”- Tony Bellotto, No Buraco.

Quando o parágrafo acima foi dito na entrevista que Tony Bellotto concedeu a Amaury Jr em seu programa, um exemplar vendido do livro No Buraco já estava garantido. O talento de Bellotto como guitarrista e compositor nos Titãs é incontestável, compôs o hino da banda: “Polícia” e colaborou em outras grandes canções do grupo: Pra Dizer Adeus, Flores, Televisão, Domingo, O Pulso, Lugar Nenhum, Armas Pra Lutar, Bom Gosto, Um Morto De Férias, etc. Agora minha curiosidade era ver se ele tinha o mesmo dom como escritor (mesmo sabendo que sua série policial Bellini é bem sucedida, o primeiro livro virou filme) e o recém lançado livro seria uma boa pedida.

A história narrada em primeira pessoa retrata a vida de Teo Zanquis, uma espécie de auter ego às avessas de Tony Bellotto, que foi um guitarrista de uma banda de rock brasileira dos anos 80, chamada Beat-Kamaiurá que obteve apenas um sucesso com seu disco Totem Rachado, o hit Trevas De Luz. Porém o sucesso logo passou e Téo agora leva uma vida miserável aos 50 anos, freqüentando sebos no centro de São Paulo, vivendo à custa dos direitos autorais de seu hit e com a ajuda de sua mãe que sofre Alzheimer, bebendo seus chopes, cheirando seu pó, morando numa quitinete  e vez ou outra dedilha alguma coisa em Isabel (nome que batizou sua guitarra, após receber uma punheta homérica de uma noviça do mesmo nome quando sua banda foi fazer um show no interior do Paraná).

O livro começa com o capítulo de nome sugestivo: A Questão Das Bocetas. Onde o personagem está com a cabeça enfiada num buraco na praia de Ipanema, conversando consigo mesmo e relembrando momentos do passado, que incluem desventuras com sua banda na estrada, transas inesperadas e picantes, vício em drogas, idas a programas de auditório, problemas enfrentados em alguns shows, viagem aos EUA  para encontrar o túmulo de seu ídolo Jimi Hendrix e relatos de seu cotidiano, que vai caminhando sem muitas ilusões.Porém há um sinal de esperança de que a vida de  Teo Zanquis ira melhorar quando ele entra no sebo Combat Records e conhece a jovem coreana e fã de rock Lien.

Seu relacionamento amoroso com Lien provoca uma grande reviravolta na história, que começa no segundo e último capítulo: O Segredo Do Cannoli. Um dia, a jovem deixa um envelope com um pen drive, que incrimina seu irmão Chang Ho (um hacker que cria um mega sistema de downloads ilegais na internet.) para que Zanquis o guarde para ela. Depois disso há perseguições de coreanos à sua pessoa para pegar o cannoli (modo que ele batizou o pen derive, em homenagem ao filme O Poderoso Chefão) e na busca pela sua amada que desapareceu após pedir o “favor”, quando ele vai à casa de Lien se depara com uma cena desagradável: O corpo de Chang Ho está todo ensangüentado no meio da sala, ele está morto! A partir deste momento o livro ganha um tom policial e um desfecho incrível e surpreendente.

O grande trunfo e a sacada do livro foi a idéia de Tony Bellotto fazer um retrato autobiográfico sendo o oposto da sua vida e carreira, o fato de narrar à história de maneira precisa, com um humor ácido, as descrições bem detalhadas das memórias sexuais do personagem, as referências pop que  fazem o leitor se sentir na pele de Teo Zanquis e o desfecho que traz o inesperado.

Para os fãs dos Titãs, de rock n´roll, literatura policial e de romance mais intenso, e que curtem ler um livro de uma “sentada só”, No Buraco é uma excelente dica literária e um livro de cabeceira essencial.

Um Disco De Despedidas

Último disco com Nando Reis na banda é um bom material titânico

O início das gravações do disco A Melhor Banda De Todos Os Tempos Da Última Semana dos Titãs, não foi nada fácil.No dia 11 de junho, um dia antes da banda entrar no estúdio para gravar o disco, o guitarrista Marcelo Fromer foi atropelado por uma moto em São Paulo e morreu dois dias depois.A perda de Fromer gerou um baque na banda, pois ele ajudou a fundar o grupo, era ativo nas composições da banda e era o responsável por fechar contratos e mexer com a parte burocrática dos Titãs.

No disco sua contribuição também foi importante, compôs em parceria com os demais membros 4 músicas, criou os arranjos e deu a dica para Sérgio Brito insistir nos versos “Enquanto eu andar distraído, enquanto eu andar…” da música Epitáfio, que virou um mega hit da banda. Fromer também era o único membro que conseguia falar numa boa com todos do grupo, principalmente com aqueles que disputavam o posto de líder dos Titãs( na época,segundo Nando, era entre ele, Sérgio Brito e Paulo Miklos).

Mais uma vez a produção ficou a cargo do produtor norte americano Jack Endino, que conseguiu dar mais uma vez um peso nas guitarras, o que fica nítido nas faixas mais pesadas do álbum.Para fazer a guitarra rítmica a banda chamou Emerson Vilani.

O disco começa muito bem com a música Vamos Ao Trabalho, uma canção punk rock, que foi inclusive incluída no show MTV Ao Vivo de 2005, na seqüência mais um sucesso da banda, a faixa-título que traz uma letra muito bem feita que critica os “novos ídolos” que fazem sucesso hoje e desaparecem no outro mês(infelizmente esse tipo de artista ainda surge atualmente no Brasil..) .

Na faixa seguinte já se percebe que Nando Reis já não estava mais tão integrado ao grupo, todas as faixas que canta no disco são composições solo( tal situação se agravou em setembro de 2002 quando saiu da banda) e a terceira O Mundo É Bão Sebastião, que foi a décima-quarta música  mais tocada nas rádios do Brasil em 2002 e que tem um bom número de fãs que adoram ela,  é uma composição muito fraca e que parece que está ali só pra ocupar espaço.Dentre as músicas que ficaram abaixo da média no álbum pode-se incluir, Daqui Pra Lá (que seria mais viável em um disco solo de Brito), Não Fuja Da Dor que possui um excelente arranjo de guitarra mas a performance vocal de Branco Melo nesta faixa não está lá essas coisas,Mundo Cão que  é mediana e uma balada fraquíssima e arrastada composta e cantada pro Nando Reis: Mesmo Sozinho.

Uma grande música do disco e que foi uma grata surpresa, é Bom Gosto, que tem uma letra muito inteligente, aliás uma das melhores já feitas pelos Titãs; Um Morto De Férias além de ter um arranjo de guitarra ótima traz uma letra divertidíssima, assim como Eu Não presto; Isso e É Bom Desconfiar são baladas de boa qualidade e a trinca que fecha o álbum também é muito boa.Bananas traz um divertido panorama da cultura genuína do Brasil, Alma Lavada traz uma ótima performance de Tony Beloto e Cuidado Com Você é uma parceria (mais uma vez) bem feita em conjunto com o gênio Arnaldo Antunes.

Esse álbum  para os fãs dos Titãs é bom ter em sua coleção, não chega a ser uma mega álbum como os da fase áurea, mas é um disco muito bom e que marcou uma despedida com classe do grande compositor e baixista Nando Reis e do guitarrista gourmet Marcelo Fromer.

Celebração Ao Rock Nacional

Em 1997 para celebrar os até então (hoje 28 anos) 15 anos de origem da geração B-ROCK de bandas do rock nacional que despontaram nos anos 80 e que fizeram desta a década mais forte da história do genêro, o Vídeo Show juntou os principais nomes dessa geração para um bate papo à respeito do movimento musical que até hoje é referência no país.
Confira abaixo esse encontro de estrelas do rock tupiniquim: