Muito além de um cadáver flatulento

um-cadaver-para-sobreviver

Um homem isolado numa ilha remota, a milhas, milhas e milhas de qualquer lugar, completamente desacreditado da vida, não vê outra alternativa para o seu destino: suicidar-se!
Continuar lendo

Anúncios

Na Trave

Pixels

A se julgar pela premissa de Pixels (EUA, 2015), baseada no curta homônimo do francês Patrick Jean (lançado em 2010), o filme tinha tudo para se tornar o mais novo clássico da cultura pop: invasão alienígena, referências nostálgicas, trama non sense, uma trilha com potencial impactante, e o comando do genial Chris Columbus, diretor dos dois primeiros Harry Potter, dos dois primeiros Esqueceram De Mim, Uma Baba Quase Perfeita, e roteirista de Goonies e Gremlins (sim, se sua infância foi feliz, você deve muito a ele).

Continuar lendo

Quem dera se todos os blockbusters fossem iguais a Kingsman

Kingsman_poster

Se você é daqueles (as) que não vê um filme por seu apelo comercial, e só aprecia os que são de “arte pela arte”, sinto lhe informar que está perdendo a grande chance de conferir uma das maiores gratas surpresas dos últimos anos, e o primeiro grande pipocão de 2015: Kingsman- Serviço Secreto (EUA, Reino Unido, 2015).

Continuar lendo

Heróis Não Nascem São Criados

Animação da Dream Works traz divertidas referências à cultura pop e uma bela mensagem

A frase que dá título ao post de hoje foi retirada da ótima animação que acaba de estrear no Brasil: Megamente. A animação da Dream Works, dirigida por Tom McGrath, traz uma divertida e interessante história. Ao ter seu planeta natal destruído ainda bebê (numa referência clara ao Super-Homem) o personagem título do filme é enviado por seus pais à Terra, porém seu caminho é cruzado com o herói perfeitinho Metro Man, que interfere na sua trajetória mandando o pequeno ser azul para uma prisão, onde é criado por presidiários que o ensinam que policiais são caras maus e roubar bancos é legal. Sua inimizade com Metro Man só vai aumentando durante sua infância, na escola quando é menosprezado por seus colegas e derrotado por seu rival, muitas vezes por culpa própria por seus planos mal bolados. Nesta fase Megamente tem um “clique” e percebe que para se dar bem na vida tem de fazer o que sabe fazer de melhor: ser um vilão.

Depois de várias tentativas o que parecia impossível para o gênio do mal, acaba acontecendo: Metro Man é derrotado em seu feriado em Metro City na inauguração de seu museu. Após este feito tudo está às mil maravilhas para o vilão e seu amigo e fiel companheiro, o ótimo personagem Criado, roubando bancos, azucrinando a vida dos moradores, destroem o museu, porém sua vida parece não ter mais motivo, pois agora não há um herói para que possa travar uma batalha. Ai bate a depressão.

A única solução encontrada é usar sua inteligência para criar um novo herói. E assim usando o DNA da capa de Metro Man, ele cria uma forma de injetar em uma pessoa boa os poderes  que um dia foi do falecido herói. O plano no início aparentemente dá certo e é criado o Titan, novo super herói de Metro City que ganha treinamento do próprio Megamente, disfarçado de “pai espacial” uma imitação de Marlon Brando- o pai do Super-Homem em 1978. Porém o tiro sai pela culatra e Titan usa seus poderes contra a cidade e em benefício próprio, cabendo a Megamente o papel de salvar a cidade.

O filme traz divertidíssimas referências à cultura pop, além dos super-heróis dos quadrinhos há também os do cinema (Sir Myagi), sátiras políticas com o governo dos EUA, com a frase Yes We Can que no filme se torna No You Can´t.Outro ponto alto é a trilha sonora que está impecável, trazendo muito rock n´ roll com AC/DC , Elvis Presley , Ozzy Osbourne , Guns N´Roses e Michael Jackson com um mega clássico da música pop,que culmina num final sensacional do filme.

Uma ótima dica pra começar muito bem a maratona de filmes nessas férias.

Um Dia Sem Mim

Quarto filme fecha a saga do Ogro com chave de ouro

Aviso aos navegantes: Aqueles que pretendem ver o capítulo final da saga Shrek em 3D esperando ver efeitos maravilhosos, mirabolantes coisas saindo da tela causando admiração na platéia, não se iluda pois o filme não tem nada disso e não há uma utilização dos efeitos que o 3D pode proporcionar, portanto é melhor economizar e ir ao 2D mesmo.Agora se você assim como eu, que ir ao cinema para conferir um grande filme cuja diversão é garantidissíma, Shrek Para Sempre, é um filme essencial!

O enredo do quarto filme de Shrek consiste na história, em que o personagem principal está em crise por não conseguir mais ser aquele ogro assustador de sempre.Para recuperar sua fama de “bad boy” , ele firma um acordo com um feiticeiro de araque chamado Rumpelstiltskin, que assume o reino de Tão Tão Distante e Shrek terá de enfrentar como seria sua vida sem as pessoas o conhecerem e o maior desafio: recuperar o amor de Fiona, para que ele consiga sua sobrevivência!

Raro são às vezes que uma saga de filmes consegue manter uma regularidade e principalmente: ter um filme que a feche com chave de ouro.Um caso de uma mega sequência que teve um final pífio foi Matrix, que teve dois excelentes filmes e no terceiro e último quando se esperava um final à altura dos dois anteriores, veio a decepção, com um filme no máximo bom que não correspondeu as expectativas dos fãs, o que foi uma pena.

Mas Shrek Para Sempre conseguiu a proeza não só de concluir bem a sagra do Ogro verde, como conseguiu ser o melhor filme de toda a saga! As famosas piadas referentes ao mundo pop estão todas presentes no filme mais afiadas do que nunca, o Gato de Botas e o Burro fazem uma dupla sensacional, as piadas com o mundo das celebridades de Hollywood estão ótimas(como o famoso tour pelas mansões de Beverly Hills e o pedido insiste de um fã chato) e a cena que pra mim foi a melhor referência da saga: a do cavalo de Tróia, quando o Burro e o Gato de Botas juntamente com o exército de ogros invade o castelo de Rumpelstilskin.

Se for fã da série e de filmes de qualidade, confira esta maravilhosa obra e fique nos créditos finais onde há interessantes cenas mostrando uma retrospectiva da saga Shrek.

Ficha Técnica

Diretor: Mike Mitchell
Elenco: Vozes no original de: Cameron Diaz, Antonio Banderas, Eddie Murphy, Mike Myers, Julie Andrews, Justin Timberlake.
Produção: Teresa Cheng, Gina Shay
Roteiro: Josh Klausner, Darren Lemke
Fotografia: Yong Duk Jhun
Trilha Sonora: Harry Gregson-Williams
Duração: 93 min.
Ano: 2010
País: EUA
Gênero: Animação
Cor: Colorido
Distribuidora: Paramount Pictures Brasil
Estúdio: DreamWorks Animation / DreamWorks SKG / Pacific Pictures SRL
Classificação: Livre