Um Novo Caminho

Filme baseado na obra literária de Chico Xavier é o mais caro da história do cinema brasileiro

Se no post de Chico Xavier dizia que o cinema nacional estava em evolução, com Nosso Lar, filme baseado na obra literária do médium, é encontrado um novo caminho que pode colocá-lo de vez no rumo de filmes com qualidade e que façam sucesso de bilheteria: Obras que abordem a temática espírita.

Na última sexta feira, dia 3 de agosto, quando estreou nos cinemas de todo o país, o filme de Wagner de Assis, carregava uma expectativa alta, já que o livro homônio já vendeu mais de 2 milhões de exemplares e a empresa canadense Intelligent Creatures responsável pelos efeitos especias e por boa parte gráfica da película é a mesma de Babel e Wachmen-O Filme.E este é o filme mais caro (até o momento) da história do cinema nacional, com um orçamento de 20 milhões de reais.

As expectativas são correspondidas, pois o filme visualmente e tecnicamente falando é muito bem feito e bonito.As imagens de quando o espírito de André Luiz desencarna no  umbral (espécie de purgatório) e quando é resgatado e chega a cidade  Nosso Lar são sensacionais.Outro ponto alto é a bela trilha sonora composta pelo norte-americano Phillip Glass.

O roteiro também consegue agradar em cheio o grande público, graças à sua forma direta e simples , que vai direto ao ponto.Destaca-se também as participações especiais de Othon Bastos, no papel do Governador, Paulo Goulart como o conselheiro e de Werener Shüneman como o espírito guia de Chico Xavier, Emanuel,que é o responsável pelo departamento de comunicações.As surpresas ficam por conta dos atores poucos conhecidos, com destaque para a atuação de Renato Prieto que faz o papel de André Luiz.

O filme só peca no final, quando começa  a ficar um pouco extenso, mas em compensação a lição que André Luiz nos deixa quando cumpre sua missão, consegue fechar bem a película.

Se Nosso Lar vai quebrar recordes de bilheteria e alcançar (merecidamente) um grande sucesso, só o tempo poderá dizer.Mas esta ótima obra do cinema tupiniquim comprova que a sétima arte feita no Brasil está mais viva do que nunca!

FICHA TÉCNICA
Diretor: Wagner de Assis
Elenco: Renato Prieto como André Luiz, Othon Bastos, Ana Rosa, Paulo Goulart, Werner Schünemann, Fernando Alves Pinto, Rodrigo dos Santos, Inez Viana, Rosanne Mulholland, Clemente Viscaíno, Lu Grimaldi, Selma Egrei, Nicola Siri, Helena Varvaki, Cesar Cardadeiro, Lisa Fávero, Ana Beatriz Corrêa, Chica Xavier
Produção: Iafa Britz
Roteiro: Wagner de Assis, baseado no livro de Chico Xavier
Fotografia: Ueli Steiger
Trilha Sonora: Philip Glass
Ano: 2010
País: Brasil
Gênero: Drama
Cor: Colorido
Distribuidora: Fox Film
Estúdio: Cinética Filmes

Chico Xavier: Evolução No Cinema Nacional

Um atestado da evolução do cinema nacional

Escrevo esse post,no ponto alto de minha comoção perante ao belíssimo e fantástico filme: Chico Xavier;que assisti na noite de sexta passada.Mas vamos com calma e por partes.
Tudo começou meio sem querer querendo(como já dizia Chaves),pois tudo estava planejado para assitir ao filme Homem de Ferro 2,que estreou ontem,mas na hora H houve uma mudança de planos.Um amigo(Rogério Vaz) que me acompanhava,disse:”Lucas não anima de ver o filme do Chico não?!” Minha vontade era de convence-lo a opção oposta de ver a estreia do badalado filme de Downey Jr,porem como bom amante do cinema nacional e por uma vontade que vinha nutrindo há um bom tempo,de assitir o filme,resolvi à ir,mesmo tendo perdido os minutos iniciais e os trailers(sim sou daqueles fanáticos que gostam de ver ate o que antecede o filme).Sorte a minha que essa pequena “mudança de planos” seria uma das melhores coisas que já aconteceram em minha vida!
O principal trunfo do filme,sem sombra de dúvidas é o elenco de primeira,cujo os destaques são: Ângelo Antonio – Chico Xavier (jovem) (1931/1959),Nelson Xavier – Chico Xavier (adulto) (1969/1975),que atuam de maneira tão convincente que dá ao espectador a impressão de ver o próprio Chico na telona,Tony Ramos como o produtor do Pinga Fogo,Cristiane Torloni como sua esposa,Pedro Paulo Rangel como o padre amigo de Chico,Luís Melo (pai) e Letícia Sabatela(mãe).
Uma das coisas que mais impressionam tambem é a evolução de Daniel Filho na direção do filme,ele que tem como trabalho notório a comédia Se Eu Fosse Você,mostra com Chico Xavier que é possivel fazer um filme nacional de apelo ao grande público aliado à qualidade.A cena em que madrinha de Chico lhe da garfadas,os movimentos de camera que dão uma impressão de transe quando Chico Xavier tem sua primeira seção mediúnica e no seu primeiro encontro com Emmanuel(seu espirito guia) e o encontro com este na turbulência do avião que o leva à São Paulo para o programa Pinga Fogo(que foi exibido na TV Tupi,em 71),são momentos antológicos não só do filme mas tambem da história do cinema nacional!
Outro ponto forte do filme é o roteiro muito bem feito de Marcos Bernstein;a frase que Chico diz a respeito de sua desencarnação e a que fecha o filme,são sensacionais!
Ao acabar de assistir esta obra cinematográfica,fiquei com uma felicidade extrema,pois Chico Xavier O Filme,juntamente com Tropa de Elite(outro filmaço do cinema tupiniquim),comprova que o cinema brasileiro esta no rumo certo,evoluindo bem,tem tudo para conquistar mais e mais o público e mostra que se seguirmos este caminho não deveremos em nada,para as produções de Hollywood!
FICHA TÉCNICA
Diretor: Daniel Filho
Elenco: Nelson Xavier, Angelo Antonio, Matheus Costa, Pierre Baitelli, Christiane Torloni, Tony Ramos, Cadu Favero, Paulo Goulart, Pablo Sanábio, Gláucia Rodrigues, Cassio Gabus Mendes, Guilherme Fontes, Giovanna Antonelli.
Produção: Claudia Bejarano, Daniel Filho, Júlio Uchoa
Roteiro: Marcos Bernstein
Fotografia: Nonato Estrela
Trilha Sonora: Egberto Gismonti
Duração: 125 min.
Ano: 2010
País: Brasil
Gênero: Drama
Cor: Colorido
Distribuidora: Downtown Filmes/ Sony Pictures
Estúdio: Lereby Produções