Passatempo não tão épico

Êxodo- Deuses e Reis

Com a volta, e certeza de fórmula de sucesso, dos épicos como um dos meios de atrair multidões aos cinemas em tempos de crise de criatividade, nada melhor que um dos filmes que fecham 2014, traga um dos grandes nomes do seu gênero.

Em Êxodo- Deuses e Reis, Ridley Scott nos dá seu olhar único a uma das histórias bíblicas mais edificantes, sem medo de tomar uma posição, e o que é mais difícil: sem soar pedantemente didático.

Continuar lendo

Mais intensidade

Como Treinar O Seu Dragao 2

Um choro de criança numa sala escura, adolescentes com papos de profundidade de piscina infantil, selfies de sorrisos plásticos com incômodos flashes, gritos, e a típica babaquice a tona de micos fugitivos de laboratório que inundam os cinemas, justamente no dia que você escolhe para conferir aquele filme que tanto queria conferir.
Continuar lendo

A Arte de se Manter Atual

Filosofia milenar de Sun Tzu permanece atual.

“Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas…”  Sun Tzu

Minha aventura literária poderia ter começado pelos idos de 2004, quando ao visitar um amigo que não era muito chegado em literatura vi uma cena no mínimo curiosa, ele possuía um pequeno livro de cabeceira intitulado “A Arte da Guerra”. Quando o questionei a respeito do livro, ele apenas me disse que o considerava bom e possuía umas histórias “massa”. Na época nem dei muita bola, mas como já diz o velho ditado: “antes tarde do que nunca!”

Graças ao aplicativo do orkut, Veja Meus Livros, minha vontade de ler o livro de Sun Tzu foi reacendida e ao vê-lo na estante da biblioteca de minha faculdade, não titubiei e levei pra casa para começar minha leitura.

Dentre as várias edições que existem, peguei a que possui o prefácio de James Clavell (a da imagem), cujo o texto é excelente e tem um desafio que achei fantástico: Todo governante deveria ler “A Arte Da Guerra” e ao final do ano ser submetido à um exame do livro e de 0 a 100 a nota mínima para que ele permanecesse no governo deveria ser 95, detalhe, o exame seria feito anualmente e de forma escrita e oral ( já pensou se fosse feito isso no Brasil?!!!!).

O que mais impressiona no livro, é o fato de que as lições e contos que Sun Tzu emprega no livro, mesmo tendo sido escritos há mais de 2.500 anos, permanecerem atuais e, além disso, as técnicas que o general chinês emprega e ensina ao leitor, não se restringem apenas ao campo militar, elas também podem ser usadas nas relações familiares, de negócios, por governantes, professores, etc.Além de uma incrível expansão e evolução de conhecimentos que ele proporciona ao leitor!

Outro fator positivo, é a fácil leitura do livro, que não é extenso (possui apenas 111 páginas), tem capítulos bem dividos, resumidos e concisos o que torna o hábito de ler essa obra literária mais prazeroso.

Portanto se você busca um livro que possua uma grande bagagem cultural, de fácil leitura, prazerosa e que, com certeza, irá acrescentar, e muito, na sua vida, “A Arte da Guerra” de Sun Tzu é uma execelente dica!