Redescobrindo o Brasil magistralmente

holy-land-front

Não é preciso muitas audições para sacar que “Angels Cry”, primeiro disco do Angra lançado em 1993, era um trabalho muito acima da média: produção impecável, arranjos de extrema qualidade, solos de guitarra virtuosamente bem executados, bateria poderosa, baixo pulsante, alcances vocais impressionantes, e hinos monumentais como “Carry On”, “Time” e a faixa-título.

Continuar lendo

Anúncios

Diário Pop

History capa

Chega a ser curioso como um astro tímido e que ao longo dos anos ficou tão recluso, tenha lançado um álbum tão poderoso e confessional logo após de um dos períodos mais conturbados da sua vida.

Continuar lendo

O incrível poder de evolução de Missão Impossível e Tom Cruise

Missão Impossível Nação Secreta

O que mais chama atenção na franquia Missão Impossível é o seu incrível poder de evolução a cada título lançado, algo raro de se ver em Hollywood, ainda mais se levarmos em conta seu atual cenário.

Continuar lendo

Patrimônio musical da humanidade

Buena Vista Social Club

Independentemente se sua visão for de esquerda, direita, cruzada, linhas paralelas que se cruzam em Belém do Pará, a favor ou contra quem usa camisetas com estampa daquele famoso revolucionário com ares de “messias latino”, um fato é incontestável: uma das maiores joias musicais de todos os tempos estava perdida em Cuba.

A evidência mor dessa afirmação está registrada no belíssimo documentário do prestigiado cineasta alemão Win Wenders: Buena Vista Social Club.

Continuar lendo

Escolha a vida

Choose Life

Escolha a vida. Escolha um emprego. Escolha uma carreira. Escolha uma família. Escolha uma televisão enorme. Escolha máquinas de lavar, carros, CD players e abridores de latas elétricos. Escolha saúde, colesterol baixo e seguro dentário. Escolha uma hipoteca a juros fixos. Escolha sua primeira casa. Escolha seus amigos. Escolha roupas esportes e malas combinando. Escolha um terno entre uma variedade de tecidos. Escolha fazer concertos em casa e pensar na vida domingo de manhã. Escolha sentar-se no sofá vendo games shows chatos na TV comendo porcaria. Escolha apodrecer no final, numa casa miserável, tornando-se uma total vergonha para os filhos egoístas que pôs no mundo para substituí-lo. Escolha seu futuro. Escolha sua vida.  Eu escolhi não escolher uma vida, eu escolhi outra coisa. E a razão? Não há razões. Quem precisa de motivos quando se tem heroína?

Com esse discurso rasgado e impactante, narrado em off por Ewan McGregor, que somos apresentados a um dos grandes clássicos cult dos anos 90, responsável por catapultar não só a carreira do ator, como também a do diretor Danny Boyle: Trainspotting.
Continuar lendo

Várias variáveis de um sucesso

Livro de Gessinger traz olhar intimista sobre trajetória de sucesso do Engenheiros do Hawaii.

A data é 11 de janeiro de 1985, Humberto Gessinger (então guitarrista), mais Carlos Maltz (bateria) e Marcelo Pitz (baixo), fazem o primeiro show do Engenheiros do Hawaii que, numa coincidência do destino, ocorre no mesmo dia da aber­tura do primeiro Rock in Rio, na faculdade de arquitetura de Porto Alegre.

Continuar lendo

O Gol De Placa Do Skank

Com mais de 1.800.000 cópias vendidas, o terceiro disco do Skank foi um dos maiores fenômenos do rock e da música nacional.

Dentre os fenômenos que ocorreram no rock nacional, um do qual eu (e milhões de fãs) posso dizer com orgulho que acompanhei de perto, foi o terceiro álbum do Skank: O Samba Poconé. Lançado em 1996 é o primeiro disco da banda (e até o presente momento o único) a ser gravado em SP no estúdio Mosh, e que tinha a difícil missão de suceder o também clássico Calango de 94 que foi um enorme sucesso e para tal a banda convocou mais uma vez Dudu Marote para dividir a produção do álbum.

Continuar lendo