John Carter

Você que gosta do estilo de filme de fantasia, assistiu a Conan, a Fúria de Titãs e achou ruim, este, por outro lado, pode fazer com que reacenda a chama que existe dentro de você.

Criado por Edgar Rice Burroughs em 1912, o livro trata da história de um veterano de guerra desiludido com a sociedade que é transportado para um mundo desconhecido e perigoso Barsoom (Marte). Continuar lendo

Almanaque Pop

Livro de Jonathan Crociatti traz dados e informações curiosas do astro para fãs veteranos e novatos.

No dia em que o rei do pop completaria 53 anos de idade, é uma pena ele não estar mais entre nós, pois se estivesse com toda certeza ficaria feliz e orgulhoso com o livro brasileiro que retrata sua vida e principalmente sua obra: Michael Jackson 50 anos Do Ícone Pop.

Continuar lendo

O Deus Guerreiro


“O povo celta não possui uma unidade política. São tribos diferentes que às vezes brigavam muito entre sim. Possuíam uma cultura muito rica e homens e mulheres tinham direitos iguais…”

“O Império Romano tinha como cavalarias, mercenários celtas.”

“Portugal e Espanha foram habitados por tribos Celtas. A Cruz de Malta, símbolo da bandeira de Portugal, tem origem Celta.”

“Sua Religião era basicamente em sintonia com a Natureza.”

“Várias crenças  fizeram adaptações de seus costumes como Halloween e São João. O Diabo e alguns santos foram versões Continuar lendo

Não é televisão, é cinema.

Não sou daquelas pessoas que escolhe um livro pela capa, mas dessa vez foi quase assim: como adoradora da “Sétima Arte”, quando vi o título O Clube do Filme olhando pra mim da prateleira, não resisti.

O Clube do Filme retrata a relação de David Gilmour, pai separado, crítico de cinema Continuar lendo

1602

Ilustração da Capa de Scott Mckowen. Releitura da Gravura dos Conspiradores de Guy Fawkes de 1605.

1602 trata-se da historia de alguns personagens da Marvel adaptados na Inglaterra no inicio do século 17, ícones como  Quarteto Fantastico, X-men, Nick fury e outros são meros personagens nessa fabulosa trama escrita pelo fabuloso Neil Gaiman e desenhada por Andy Kubert, a qual se encontra em intrigas no reinado da Rainha Elisabeth, dramas dos personagens em duvidas com Religião e Política. Você vai encontrar na revista também decapitação,  inquisição,  guerras, seres fabulosos e grandes sacrifícios, luta pela liberdade, reconhecimento e muitos fanáticos religiosos que eram típicos na época. Uma grande luta de sobrevivência e um grande mistério para descobrir quem é o personagem temporal perdido ali naquela historia de homens simples.

 

“1602” foi minha ultima leitura do ano, e com certeza será a primeira do novo  ano, pois irei reler esse maravilhosa historia novamente. Existe algumas coisas que me faz ter orgulho de ser admirador da 9ª arte, está revista a qual ganhei de presente da Maravilhosa Ana Paula no Natal é uma delas. Essa edição com certeza é uma grande homenagem a Stan Lee, Jack Kirby e Steve Ditko que são os criadores clássicos da Marvel.

Alter Ego Frustrado

Livro traz retrato autobiográfico às avessas de Tony Bellotto

“Pense no cu. Por que cu termina em u? Há um motivo. É a mesma coisa com as bucetas. O segredo está no u. U tem cheiro. U tem gosto. Até a palavra oficial do cu, ânus, tem lá seu u. Que beleza de palavra: ânus. Sente a sonoridade?”- Tony Bellotto, No Buraco.

Quando o parágrafo acima foi dito na entrevista que Tony Bellotto concedeu a Amaury Jr em seu programa, um exemplar vendido do livro No Buraco já estava garantido. O talento de Bellotto como guitarrista e compositor nos Titãs é incontestável, compôs o hino da banda: “Polícia” e colaborou em outras grandes canções do grupo: Pra Dizer Adeus, Flores, Televisão, Domingo, O Pulso, Lugar Nenhum, Armas Pra Lutar, Bom Gosto, Um Morto De Férias, etc. Agora minha curiosidade era ver se ele tinha o mesmo dom como escritor (mesmo sabendo que sua série policial Bellini é bem sucedida, o primeiro livro virou filme) e o recém lançado livro seria uma boa pedida.

A história narrada em primeira pessoa retrata a vida de Teo Zanquis, uma espécie de auter ego às avessas de Tony Bellotto, que foi um guitarrista de uma banda de rock brasileira dos anos 80, chamada Beat-Kamaiurá que obteve apenas um sucesso com seu disco Totem Rachado, o hit Trevas De Luz. Porém o sucesso logo passou e Téo agora leva uma vida miserável aos 50 anos, freqüentando sebos no centro de São Paulo, vivendo à custa dos direitos autorais de seu hit e com a ajuda de sua mãe que sofre Alzheimer, bebendo seus chopes, cheirando seu pó, morando numa quitinete  e vez ou outra dedilha alguma coisa em Isabel (nome que batizou sua guitarra, após receber uma punheta homérica de uma noviça do mesmo nome quando sua banda foi fazer um show no interior do Paraná).

O livro começa com o capítulo de nome sugestivo: A Questão Das Bocetas. Onde o personagem está com a cabeça enfiada num buraco na praia de Ipanema, conversando consigo mesmo e relembrando momentos do passado, que incluem desventuras com sua banda na estrada, transas inesperadas e picantes, vício em drogas, idas a programas de auditório, problemas enfrentados em alguns shows, viagem aos EUA  para encontrar o túmulo de seu ídolo Jimi Hendrix e relatos de seu cotidiano, que vai caminhando sem muitas ilusões.Porém há um sinal de esperança de que a vida de  Teo Zanquis ira melhorar quando ele entra no sebo Combat Records e conhece a jovem coreana e fã de rock Lien.

Seu relacionamento amoroso com Lien provoca uma grande reviravolta na história, que começa no segundo e último capítulo: O Segredo Do Cannoli. Um dia, a jovem deixa um envelope com um pen drive, que incrimina seu irmão Chang Ho (um hacker que cria um mega sistema de downloads ilegais na internet.) para que Zanquis o guarde para ela. Depois disso há perseguições de coreanos à sua pessoa para pegar o cannoli (modo que ele batizou o pen derive, em homenagem ao filme O Poderoso Chefão) e na busca pela sua amada que desapareceu após pedir o “favor”, quando ele vai à casa de Lien se depara com uma cena desagradável: O corpo de Chang Ho está todo ensangüentado no meio da sala, ele está morto! A partir deste momento o livro ganha um tom policial e um desfecho incrível e surpreendente.

O grande trunfo e a sacada do livro foi a idéia de Tony Bellotto fazer um retrato autobiográfico sendo o oposto da sua vida e carreira, o fato de narrar à história de maneira precisa, com um humor ácido, as descrições bem detalhadas das memórias sexuais do personagem, as referências pop que  fazem o leitor se sentir na pele de Teo Zanquis e o desfecho que traz o inesperado.

Para os fãs dos Titãs, de rock n´roll, literatura policial e de romance mais intenso, e que curtem ler um livro de uma “sentada só”, No Buraco é uma excelente dica literária e um livro de cabeceira essencial.

VERTIGO

Para quem não sabe, Vertigo é um selo de quadrinhos voltado para adultos, com historias mais maduras e inteligentes. Foi fundada por pessoas da DC, mas usa o nome diferenciado da mesma por ter um trabalho como falei antes mais crescido e complexo.
Nós Brasileiros agora estamos sendo presenteados com a edição de numero 12, sem contar outros especiais que sempre são lançados pela GRANDIOSA Panini. Quadrinhos para mim é algo que cresceu comigo, formou meu carater. Não sabia nem ler quando ganhei minha primeira HQ, mas foi com essa primeira que começou meu GRANDE amor.
Com o universo Vertigo vejo que é possivel fazer qualquer coisa com o quadrinhos, mostrando que este não é uma vertente e sim uma forma poderosa de Mídia.

– LUGAR NENHUM: “Está serie já chegou ao final (Contos de Vertigo tem fim), achei a mesma deslumbrante, com personagens ótimos. [Baseada no romance e na série de TV homônimos de Neil Gaiman.]
“Richard Mayhew tinha uma vida rotineira e quieta, era totalmente escravo de sua noiva… Então, tudo mudou na vida de Richard. Desafiando a noiva, ele recolheu a garota e a levou até seu apartamento. Lá, descobriu que ela era Lady Porta, filha de Lorde Pórtico – patrono de uma importante família na Londres Abaixo. Mas o pai dela, bem como toda sua família, foi assassinado, e ela agora é perseguida por dois perigosos homens. Sem querer, Richard entrou numa trama que pode custar sua própria existência…”
*Obs: Conde Carabás no cinema seria Johnny Deep, rsrs.

– VAMPIRO AMERICANO: “Esqueça crepúsculos e entrevistas, Vampiro Americano veio para mudar a visão atual que temos dos mitológicos monstros como seres atormentados e receosos de aproveitarem seus poderes malditos. O roteirista Scott Snyder, com uma mãozinha do mestre do terror Stephen King, juntou-se ao ilustrador brasileiro Rafael Albuquerque no início de 2010 para contar a história de Skinner Sweet, o primeiro dos vampiros a ser criado nos EUA… e de todo o sangue derramado que veio disso!”

-CASA DOS MISTÉRIOS: “Em algum ponto dos incontáveis mundos, existe uma Casa. Nela moram pessoas que estão entre a resignação e a aceitação de que nunca mais poderão sair de lá. Sendo assim, por que não fazer da casa em um bar? Um lugar que recebe fregueses de todos os inimagináveis planos da existência, que pagam suas contas com histórias de fantasia e terror, magia e assombros. O que todos parecem negar, porém, é que essa casa, a Casa dos Mistérios, está viva – e observando todos.”

– HELLBLAZER: “Contatantine” se você ver o filme e conhecer a Hq vai como eu começar a odiar profundamente adaptações cinematográficas de quadrinhos. É um abuso ao personagem criado pelo Alan Moore.
” O mundo que você vê, que você toca, que você cheira, que você sente, é nada mais do que um palco. Seres humanos são menos que atores. Marionetes manipuladas por um sem número de anjos e demônios envolvidos em jogos de poder – ou simples passatempos. John Constantine ousou brincar com invocações e encantos quando jovem, o que quase o levou à insanidade. Hoje, cínico e marcado pelos seus erros, ele caminha por Londres como uma das únicas pessoas que conhece os bastidores do universo – e que pode fazer algo pela humanidade.”

E outras historias… As quais sempre estão presentes na revista, como Escalpo que é fabulosa e esperta historia de policiais, índios, etc… Vikings  a qual eu acho a mais fraquinha mas não deixa de ser interessante…

Já ia esquecendo  da minha ultima adquirida a qual já postei aqui no Miscelânea Cult a numero 01 e acaba de chegar a 02 (nem acabei de ler ainda) “Y O ULTIMO HOMEM – Ciclos”, Fabulosa e esperta revista, a qual você tem uma noção que as mulheres não conseguem viver sem nós homens ou que muitas mulheres ficaram felizes com o desaparecimento de nós homens….
*Leia VERTIGO, é OBRIGATÓRIO para todos que gostam de historias inteligentes, ler, se surpreender e que pensam que os filmes de cinema são inteligentes (estão enganados Meninas), entre nesse mundo totalmente diferente do normal…


As coisas em “…” foram chupinhadas de: http://web.hotsitepanini.com.br/vertigo/ – Veja o site!
[Qualquer erro de português ou outro existente na postagem, apague de sua mente, você não viu nada.]

20 anos de MTV

clique na imagem e faça o Download do livro para sua apreciação.

“Ninguém melhor eu recomendaria para escrever este livro, pois ele conseguiu unir bem informação, depoimentos, humor e coerência.
Mas não é um rala bosta qualquer, Lucas Avila é fã da MTV e de seus colaboradores, conhece, acompanha e segue a historia da Lenda viva…”

Foi assim que coloquei no prefácio deste livro e é assim que repito aqui.
O livro foi desenvolvido como trabalho acadêmico no inicio de Junho deste ano pelo professor de Redação Publicitária I Igor Ribeiro. E assim Lucas Avila viu uma excelente oportunidade para decorrer sobre a MTV que é impossível não conhecer, não saber do que se trata.

Este livro é um ótimo guia e aprendizado, estou vendo e viajando pelo mundo o qual todos nós fomos marcados, mas sabemos pouco da historia da mesma, uma historia de altos e baixos. A MTV é um ícone reconhecido e respeitado por todos, seja concorrentes ou parceiros, Gregos ou Troianos.

Leia esse livro inteiramente grátis (Se não baixar é burro), e entre nesse mundo de musica e conceito.
( clique na imagem ou entre no link: http://www.megaupload.com/?d=Z45NDBY0 )

Isso Sim É Eclético

 

Livro traz seleção de discos que vai do Heavy Metal ao Hip Hop.

Se tem uma coisa que não acredito, é em uma pessoa que diz que “escuta de tudo” é “eclética”, daquelas que se você perguntar: “Gosta de Metallica?” “A não gosto de rock pauleira” “E MPB?” “É som de velho”.Ou seja, o máximo que uma pessoa consegue ser e ter  é um gosto musical abrangente, já escutar de TUDO, é praticamente impossível encontrar.

Como toda regra tem sua exceção, no fim de 2007 encontrei algo realmente muito eclético, porém em forma de livro. Ao assistir o excelente programa da Rede Minas, Auto Falante, fiquei muito curioso com a dica de livro, que trazia na capa Sid Vicious (guitarrista do Sex Pistols) em uma fotografia sensacional. Não deu outra, juntei meu suado dinheirinho e comprei meu exemplar de 1001 Discos Para Ouvir Antes De Morrer.

Uma das primeiras coisas que impressionam, é o fato do livro contar com praticamente 90 % das capas dos discos citados e fotografias bacanas dos principais artistas e bandas citadas. A seleção de discos foi bastante variada e contou com 90 críticos musicais dos mais variados países e de gostos. Já o prefácio é feito pro Michael Lyndon , editor e co-fundador da Rolling Stone EUA, em um relato de um verdadeiro apaixonado por música.

Como qualquer outra lista musical, que causa polêmica ao incluir alguns nomes que dividem opiniões, com o livro de Robert Dimery não poderia ser diferente. Há alguns nomes ali que não fazem sentido algum, artistas, que deixam nítido que fazem música meramente comercial e que não tem uma relevância pra história da música, um exemplo: Britney Spears. A lista de injustiças é enorme, ficaria aqui meses e até anos citando mega discos que ficaram de fora dessa.

Mas a de se admirar o fato do livro conter uma lista tão abrangente que começa de 1950 e vai até 2007, é separada por décadas, com discos comentados ano a ano e traz os mais variados estilos, artistas e bandas, com suas obras comentadas por diferentes críticos que em muitos dos casos trazem em seus textos críticas concisas, onde retratam o porquê da escolha daquele disco, a relevância dele para a história da música e quais são suas músicas de destaque.

Para os amantes da maravilhosa arte da música, e que assim como eu, gosta ainda de escutar um disco, para conferir a obra de um cantor (a) e banda num todo e não só por músicas isoladas,prática adotada por muitos fãs modinhas atualmente, 1001 Discos não só é essencial como deve ser um livro de cabeceira. Já os fãs de listas musicais, mesmo com as divergências que elas sempre vão trazer, aqui está um prato cheio!

 

O Incrível Mundo Do Backstage

Livro de Zeca Camargo traz divertido panorama dos bastidores do mundo da música

De a-ha a U2, mas poderia muito bem ser como o próprio autor diz no texto da contra-capa: De Björk a Nirvana, de Madonna a Renato Russo, de Cazuza a Mick Jagger ou de Metallica a Lauryn Hill.

O primeiro livro musical de Zeca Camargo traz um divertido (e descobridor) panorama do que rola nos bastidores do mundo da música, através das histórias do que rolou nas entrevistas musicais que fez ao longo de sua carreira até o ano de 2006 (o livro foi lançado em 4 de outubro de 2006), que abrange sua fase na Folha de São Paulo, MTV,  até chegar na sua atual fase no Fantástico, da Rede Globo.

O que chama a atenção na leitura da obra é o fato do texto dar uma proximidade entre o fã e seu artista favorito, que vivem uma relação de distância e que é quebrada graças ao livro. E também o divertido e coloquial tom que Zeca usa em seus textos, o que permite ao leitor uma proximidade com o autor numa espécie de bate papo musical.

Composto por 53 capítulos que estão classificados em verbetes em ordem alfabética, alguns são uma verdadeira aula não só de jornalismo como de história da música e sobre como funciona o show business.

Vários são os capítulos que chamam a atenção; um particularmente eu fiquei com uma certa nervosia devido a visões opostas com o autor sobre o grupo norueguês a-ha, mas em compensação nos demais me deliciei com os relatos dos encontros com os mega ídolos, que ampliam o conhecimento musical e fazem, sem a gente ver, as horas passarem em segundos!

Os relatos que se destacam são: De Alanis Morissette, artista que Zeca Camargo mais entrevistou, Renato Russo, em sua antológica entrevista para a MTV em 1993, onde ele prega uma peça na equipe do jornalista, o esquema profissional de Madonna, a simpatia dos até então “bad boys” da mídia Axl Rose(onde Zeca foi na verdade uma espécie de tradutor) e Johny Rotten , que trataram super bem o jornalista, um cansado Jon Bon Jovi, a não entrevista com o Coldplay( causada por Chris Martin), a corajosa declaração de Cazuza admitindo ter AIDS, o episódio em que os Titãs salvaram a pele do jornalista quando ele era bailarino em São Paulo, o que rola nos bastidores do “Oscar” do videoclipe o VMA que tem um capítulo dedicado ao evento no relato do Pearl Jam, como é feito o processo de fabricação de um ídolo teen (no caso de Britney Spears e Avril Lavigne), os papos com o Metallica,o ansioso jornalista querendo entrevistar seu ídolo Caetano Veloso, a energia e magia sentida nos estúdios de Abbey Road com o Skank, a loucura que foi o Rock In Rio II em 1991 no capítulo do Queensrÿche, e pra fechar com chave de ouro, a maior banda de rock da atualidade( e uma das 10 mais de todos os tempos) U2!

Ao final de cada capítulo o leitor encontra numa escolha pessoal, a indicação de uma música daquele artista que não pode deixar de ser ouvida. Há ainda a divertida seção “As Cinco Mais’ com uma criativa análise crítica e descobertas musicais descoladas de Zeca Camargo em “Perdido em Música” .

Seja para aspirantes à jornalismo, amantes de música e de uma boa e gostosa leitura, De a-ha a U2 é um livro essencial e item obrigatório de cabeceira!