Emprego dos Sonhos

Empire Records

Se por acaso um gênio da lâmpada viesse ao meu encontro, e dissesse que poderia me dar um emprego do mundo mágico do cinema e da música, certamente ficaria divido entre três opções: ser o dono da loja de Rob Gordon em “Alta Fidelidade”, estar no lugar do jovem Willian Miller (alter ego do diretor Cameron Crowe) em “Quase Famosos”, ou ser um dos funcionários da Empire Records (EUA, 1995).

Com o ridículo título em português de Sexo, Rock e Confusão, Empire Records é uma charmosa e descolada loja de discos que está prestes a ser adquirida pela gigante Midtown Records.

Para evitar que isso aconteça, o zen Lucas (Rory Cochrane) pega todo o dinheiro do cofre, vai para Atlantic City tentar dobrar os 9.000 dólares sacados, e… se da mal!

Os funcionários partem em busca da salvação do recinto, e em meio a um dia agitado, somos apresentados aos dramas de cada personagem: o “voado” Mark (Ethan Embry) quer que sua banda faça um som legal e seja notada, Corey (Liv Tyler) quer perder sua virgindade com seu ídolo que irá fazer uma sessão de autógrafos na Empire Records, Debra (Robin Tunney) numa atitude rebelde raspa o cabelo, A.J (Johnny Whitworth) tenta criar coragem para dizer que ama Corey, Gina (Renée Zellweger) quer namorar um pouco mais e perder o medo de ser vocalista principal, e o gerente Joe (Anthony LaPaglia) busca desesperadamente salvar a loja.

Empire Records cena

Tendo como base uma fórmula bastante usada nos anos 90, o filme do diretor Allan Moyle pega a cena musical efervescente da época, um elenco jovem e talentoso, somado a uma edição em ritmo de videoclipe bastante ágil e eficaz.

A trilha sonora é o grande atrativo aqui, com grandes nomes da cena 90’s como Cranberies, Edwyn Collins, Gin Blossoms, e clássicos como AC/DC, Dire Straits e The Buggles.

Mesmo tendo ingredientes de sobra para tê-lo feito um dos passatempos cult mais legais da cultura pop, o filme derrapa no seu fechamento, onde exageraram na dose de sacarina no momento “felizes para sempre”.

Em tempos de remakes, reboots e continuações desnecessárias, “Empire Records” é mais uma das obras que se junta na corrente de milhares de fãs para que ele continue intocável como está, e que seja eternamente uma doce lembrança de uma das últimas épocas realmente divertidas!

Ficha Técnica

Gênero: Comédia

Direção: Allan Moyle

Roteiro: Carol Heikkinen

Elenco: Anthony LaPaglia, Johnny Whitworth, Liv Tyler. , Maxwell Caulfield, Renée Zellweger, Robin Tunney, Rory Cochrane

Produção: Alan Riche, Arnon Milchan, Michael G. Nathanson, Tony Ludwig

Fotografia: Walt Lloyd

Trilha Sonora: Evan Dando, Mitchell Leib

Duração: 100 min.

Ano: 1995

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s