Passatempo não tão épico

Êxodo- Deuses e Reis

Com a volta, e certeza de fórmula de sucesso, dos épicos como um dos meios de atrair multidões aos cinemas em tempos de crise de criatividade, nada melhor que um dos filmes que fecham 2014, traga um dos grandes nomes do seu gênero.

Em Êxodo- Deuses e Reis, Ridley Scott nos dá seu olhar único a uma das histórias bíblicas mais edificantes, sem medo de tomar uma posição, e o que é mais difícil: sem soar pedantemente didático.

Ao invés de contar a origem de Moisés (Christian Bale), Scott resolve começar a trama com o príncipe do Egito já adulto e seu irmão Ramsés (Joel Edgerton) já se preparando para se tornar o faraó.

Quando se descobre que Moisés é um dos hebreus, este sai de seu reino, e mesmo duvidando de sua capacidade, será o escolhido de Deus para libertar o seu povo dos 400 anos de cruel escravidão, rumo a Canaã.

Êxodo cena

O roteiro traz sacadas interessantes e ousadas, como questionar alguns atos divinos, a tentativa de explicação cientifica para alguns deles, e a presença do criador do universo como uma criança, gerando uma interessante figura das mais variadas interpretações.

No que diz respeito às cenas de batalhas, cenários, efeitos especiais, e produção como um todo, o filme é de uma perfeição gigantesca, com alguns momentos sendo verdadeiros espetáculos.

Isso sem contar nas jogadas de câmera, que conseguem dar um dinamismo a mais em algumas cenas e capta bem a essência do momento.

Mas o mesmo roteiro que traz acertos, também vem com erros que em muito prejudicam, como saltos de passagens de tempo, cenas com diálogos que pretendem serem de impacto, mas que ficam somente na intenção, além da curtíssima passagem dos dez mandamentos.

Com um elenco estelar de apoio, é um verdadeiro desperdício colocar Sigourney Weaver e Ben Kingsley, como espécies de elementos de composição de cenas, e Edgerton vai muito mal, como um Ramsés com a eterna cara de menino mimado da mamãe.

Bale tenta dar um ar convincente e heroico para seu Moisés, que aqui tem seu lado militar mais focado que o do profeta, conseguindo entregar um trabalho satisfatório.

Se somarmos a obra como um todo, o épico soa como um passatempo bom de se ver, e no meio de lançamentos épicos de gostos meio duvidosos, é um trabalho digno, mas longe de ser grandiosa e memorável.

Ficha Técnica

Gênero: Épico

Direção: Ridley Scott

Roteiro: Adam Cooper, Bill Collage, Steven Zaillian

Elenco: Aaron Paul, Adrian Palmer, Ben Kingsley, Ben Mendelsohn, Christian Bale, Christopher Sciueref, Emun Elliott, Ghassan Massoud, Golshifteh Farahani, Hiam Abbass, Indira Varma, Joel Edgerton, John Turturro, Kevork Malikyan, María Valverde, Sigourney Weaver

Produção: Adam Somner, Mark Huffam, Michael Schaefer, Peter Chernin, Ridley Scott

Fotografia: Dariusz Wolski

Montador: Billy Rich

Trilha Sonora: Alberto Iglesias

Duração: 149 min.

Ano: 2014

País: Espanha / Estados Unidos / Reino Unido

Cor: Colorido

Distribuidora: Fox Film do Brasil

Estúdio: Babieka / Chernin Entertainment / Scott Free Productions

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s