Nostalgia que diverte

Ajuste de Contas

É curioso notar que por mais diferente que sejam os estilos e as trajetórias de Sylvester Stallone e Robert De Niro, ambos possuem pontos em comum que criam uma espécie de “laço” entre eles: estouraram na década de 70, fizeram filmes clássicos com a figura do pugilista como protagonista, ganharam estatuetas do Oscar por eles e são conhecidos por não terem medo de ousar na escolha de seus papeis.

Depois de dezessete anos do encontro das lendas no policial Cop Land, cujo resultado final chamou a atenção pela ótima interpretação dramática de Sly, finalmente eles dividem a tela por um tempo maior.

Para quebrar esse “jejum” nada melhor que um filme que pegue um embate de Rocky Balboa X Jake LaMotta num estilo descontraído, nostálgico e divertido, ingredientes que ditam o ritmo de Ajuste de Contas.

Aqui nada dos nomes consagrados, Stallone é Henry “Sharp” Razor e De Niro é Billy “The Kid” McDonnen, dois ex-lutadores que viveram seus auges nos anos 80 e que se enfrentaram apenas duas vezes, com uma vitória pra cada lado, já que quando iria acontecer a terceira luta Razor anunciou sua repentina aposentadoria.

Logo no início as referências ao garanhão italiano e ao touro do Bronx são claras, com o uso das imagens dos filmes para recriar os lutadores na época em que estavam em atividade, em contraste com a imagem de dois velhos que vivem suas vidas de maneiras opostas, com certas dificuldades com as “novidades tecnológicas”.

Ajuste de Contas cena

O diretor Peter Seagal conseguiu fazer aqui um ótimo trabalho ao reunir duas figuras tão emblemáticas numa maneira bem divertida e sem pretensões sérias demais, que deram um ritmo bacana na história.

Com uma fotografia bem feita, ótima trilha sonora e boa química dos protagonistas com o ótimo elenco de apoio, Ajuste de Contas agrada em cheio por ser uma comédia onde seus atores sabem rir de si mesmos, mas sem se parecerem ridículos, e por carregar um ar de “feel so good” que poucos filmes hoje em dia conseguem transmitir.

Muitos críticos reclamaram que os diálogos estão fracos, piegas e que tudo já foi mostrado antes, porém, se há furo no roteiro ele é mínimo, e de situações que pedem um elemento mais “água com açúcar”, como o romance do personagem de Sly e Kim Basinger, mas nada que vá colocar tudo por água abaixo.

E não se pode deixar de falar das tiradas épicas do filme, como a crítica ao MMA com a participação do lutador Chael Sonnen e uma reunião impensável no mundo do boxe de explodir a cabeça nas cenas pós-créditos.

Ah, antes que eu me esqueça, você nunca mais verá uma bala de jujuba e um balde de vinagre como antes!

FICHA TÉCNICA 

Gênero: Comédia

Direção: Peter Segal

Roteiro: Doug Ellin, Rodney Rothman, Tim Kelleher

Produção: Bill Gerber, Chris Osbrink, Mark Steven Johnson, Michael Ewing, Ravi D. Mehta

Fotografia: Dean Semler

Duração: 113 min.

Ano: 2013

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estúdio: Gerber Pictures / Warner Bros. Pictures

Classificação: 12 anos

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s