Contágio

E se, não mais que de repente, alguém muito próximo a você adoecesse e, em um curto espaço de tempo, viesse a falecer de uma doença não identificada? Este é o cenário do filme Contágio.

Beth Emhoff (Gwyneth Paltron), esposa de Thomas (Matt Damon) volta para casa depois de fazer uma viagem de trabalho ao Oriente e, após um mal-estar súbito, é internada e acaba falecendo. O mesmo acontece com o filho mais novo do casal – algumas horas depois – que havia ficado em casa aos cuidados de uma vizinha.

Beth Emhoff em sua viagem ao Oriente.

Rapidamente, tem-se a notícia de outros casos similares ao de Beth ao redor do mundo, é aí que o Centro de Controle de Doenças entra no caso e começa uma investigação que busca a origem e a cura para tal doença misteriosa.

Aproveito a deixa para abrir um parêntese e falar sobre um questionamento bastante interessante que o filme nos proporciona através do papel de Jude Law: jornalista frustrado que possui um blog onde “toda a verdade é dita”. Essa é a representação perfeita da frase que ilustra o cartaz do filme: “Nada se espalha como o medo”. É nesse ponto que abrem-se algumas questões como: até que ponto pode-se confiar naquilo que é veiculado na internet (e nas outras mídias)? Até que ponto os transmissores de informações são imparciais? Existe ou não a tal da imparcialidade?

Com um post onde Alan (Jude Law) revela que supostamente já existia uma cura para a doença, antes que o governo o fizesse, ele consegue chegar a marca de 50 milhões de acessos e, “de brinde”, criar um caos ao redor da situação.

Nesse ponto o roteiro insere alguns elementos de referência ao caos gerado pelo H1N1, gripe suína, há um tempo atrás, em que o excesso de informações, por assim se dizer, da mídia causou à população. Tudo o que o Centro de Controle de Doenças não queria é que esse cenário se repetisse.

Paranóia é a palavra que define o estado em que as pessoas ficam ao ser exposta a hipótese de que o método mais eficaz para a transmissão da doença é através do contato pessoa-pessoa e pessoa-objetos. Já parou para pensar em quantas vezes você toca seu rosto por minuto? E em quem tocou naquele copo, maçaneta, torneira antes de você?

"Não fale com ninguém. Não toque em ninguém."

Contágio, para mim, é um filme que tem uma boa narrativa – talvez, ou principalmente, por ser bem próxima à realidade: reações sociais diante do novo, conspirações, favorecimento de determinada classe em detrimento a outras, caos, etc – técnicas acertadas de filmagem com planos muito bons e, contrariando muitas opiniões, trilha sonora condizente com a proposta. Porém, deixa algumas pontas soltas e perde um pouco na exploração das atuações de grandes nomes.

CONTÁGIO

(Contagion – 2011 – EUA)
Direção: Steven Soderbergh
Roteiro: Scott Z. Burns
Elenco: Matt Damon, Kate Winslet, Jude Law, Laurence Fishburne, John Hawkes, Marion Cotillard.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s