Tá tudo azul

Como falar da infância de muitos de nós sem citar aquelas criaturinhas azuis que povoavam nossa imaginação lá pelas décadas de 80-90 – mas que na verdade ganharam vida em 1958 pelas mãos do ilustrador belga Peyo – cantarolando sua musiquinha cheia de lá lá lás enquanto fugiam do vilão e seu gato de estimação?

Lembram dessa fase?

Dos quadrinhos para as telinhas da televisão e agora para as telonas do cinema: Os Smurfs estão de volta e, Smurf do céu, estão mais fofos do que nunca.

Era uma linda tarde na vila dos Smurfs e todos estavam smurfamente felizes com os preparativos de um festival típico, quando Desastrado, impedido de participar da organização, ensaios e demais preparativos do festival – dá pra entender o porquê pelo nome dele, né? – resolve ir para a floresta em busca de algumas raízes para o Papai Smurf. É aí que ele tem o azar de se encontrar com Gargamel (Hank Azaria) e seu gato Cruel, que acabam descobrindo a entrada secreta para a vila Smurf e começa uma perseguição aos pequeninos.

Hank Azaria foi feito para o Gargamel, rs! Parece que saiu do papel para a tela.

Perdido na floresta, Desastrado é seguido por Papai Smurf, Smurfete, Gênio, Arrojado e Ranzinza, que acabam entrando em um portal mágico que os leva à Nova York – levando a tiracolo Gargamel.

Em sua fuga o pequenino Desastrado vai parar dentro de uma caixa que pertence a Patrick (Neil Patrick Harris) acabando indo parar em sua casa. Enquanto isso os outros smurfs estão smufpreocupados pensando em uma maneira de encontrar Desastrado. Na casa dos Winslow a esposa de Patrick, Grace (Jayma Mays), acaba encontrando Desastrado e quando vai mostrá-lo a Patrick, vê que ele já está sendo atacado pelo restante da família Smurf.

A princípio a presença dos pequenos causa desconfiança em Patrick, que não acredita que eles são reais, mas a pedido de Grace eles acabam ficando na casa até descobrirem uma forma de abrirem novamente o portal para voltarem para casa. Mas a fofura e simpatia dos pequeninos acabam conquistando a confiança do casal, que faz o possível para ajudá-los a encontrar tudo o que precisam para smurfar a poção que os levará de volta para o mundo mágico.

Enquanto isso Gargamel não desiste de suas investidas para capturar os pequenos. Diferentemente do desenho, ele não quer os Smurfs para transformá-los em ouro, mas sim para extrair a “energia azul” que dará a ele super poderes.

Em geral, os comentários que ouvi a respeito do filme não foram dos melhores, muita gente achando o filme bobinho. Eu particularmente gostei bastante, foi bom relembrar a infância no cinema. Os Smurfs diferentemente de outras animações recentes – cito aqui algumas como: Rango, UP, Wall-E… – é um filme PARA crianças mesmo! Estamos começando a nos acostumar com animações super inteligentes que são voltadas muito mais para os grandinhos do que para os baixinhos. Mas, ainda assim, dá pra se ter momentos de diversão garantidos na companhia dos smurfs.

Ahhh, não poderia deixar de usar meu lado publicitário pra destacar os sutis ­– e interessantes – merchandisings azuis do filme, como o Blue Man Group ou o Blu Ray, utilizados como camuflagem para os pequeninos no meio da cidade de Nova York; ou ainda o Papai Smurf pedindo para Patrick procurar em sua janela mágica, leia-se Google, uma forma de abrirem o portal mágico.

Além do Guitar Hero.

SPOILER!

Vou confessar que achei o MÁXIMO o desfecho da campanha Lua Azul que Patrick fez cantarolando a musiquinha Smurf, pena que esse tipo de coisa aconteça só mesmo em filme, rsrs: enviar a campanha errada pra produção, quase perder o emprego ­– e o pescoço – e ainda ter uma ajuda mágica que consegue tirar um sorriso do chefe mais ranzinza de todos, rs!

Lição publicitária do filme: “Não me dê o que peço, me dê o que quero.” (Odile  – Sofía Vergara)

The Smurfs

Peyo

EUA , 2011 – 102 min.
Animação / Infantil

Direção: Raja Gosnell

Roteiro: J. David Stem, David N. Weiss, Jay Scherick, David Ronn

Elenco: Neil Patrick Harris, Jayma Mays, Sofía Vergara, Hank Azaria, Jonathan Winters, Katy Perry, Anton Yelchin, Frank Welker, Fred Armisen, Alan Cumming, George Lopez

Um comentário em “Tá tudo azul

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s